Sonda da ESA revela antigo vale por onde a água percorreu em Marte

ESA (Agência Espacial Europeia) divulgou nesta quinta-feira (10/10) imagens registradas por sua sonda espacial Mars Express que mostram um extenso vale de cerca de 700km de comprimento por onde já percorreu água em Marte. O antigo sistema fluvial, que agora está seco, tem entre 3,5 e 4 bilhões de anos, e é uma das maiores redes de vales existentes no planeta.

O vale, chamado de Nirgal Vallis, fica situado ao sul do planeta. É conhecido por ter sido moldado por uma mistura de fatores como água corrente e crateras causadas pelo impacto de rochas espaciais na superfície do solo marciano.
Nas imagens capturadas pela sonda, é possível ver tanto o extremo oeste do sistema fluvial, onde os canais já estão se espalhando, quanto a parte situada ao extremo leste, onde os canais se unem, formando um único vale. Este vale desemboca em Uzboi Vallis, onde se supõe ter existido um grande e antigo lago.
O Nirgal Vallis é um exemplo típico de vale em forma de anfiteatro. “Como o nome sugere, em vez de terminar bruscamente ou de forma direta, as extremidades desses sistemas têm como característica as formas circular e semicircular de um anfiteatro grego antigo”, explicam os cientistas. Vales como estes costumam costumam ter paredes íngremes, pisos lisos e, se cortados em uma seção transversal, adotam a forma de ‘U’.

Tubos de areia

Os vales retratados pela sonda têm cerca de 200m de profundidade e 2km de largura, com pisos cobertos por dunas de areia. A aparência das dunas indicam que os ventos em Marte costumam soprar paralelamente às paredes do vale.
O planeta vermelho também hospeda outros vales com características parecidas, como o Nanedi Valles e o Echus Chasma. “Ambas as características também se assemelham a sistemas de drenagem do solo em que vales sinuosos e íngremes abriram caminho por centenas de quilômetros de rochas marcianas, forjando antigas planícies vulcânicas, fluxos de lava, e material depositado pelos fortes ventos marcianos ao longo do tempo”.
Os pesquisadores acreditam que Nirgal Vallis se formou de maneira semelhante a vales morfologicamente semelhantes que vemos na Terra, como os situados no Deserto do Atacama, no Chile, e em ilhas no Havaí. “Como parece não haver afluentes semelhantes a árvores que se ramificam no vale principal de Nirgal Vallis, é provável que a água tenha sido reabastecida em Marte por uma mistura de precipitação e fluxo por terra do terreno circundante.”
Os cientistas pensam ainda na hipótese do sistema fluvial ter surgido de um processo de esgotamento hídrico subterrâneo, “no qual a água luta para viajar verticalmente e, em vez disso, escoa continuamente lateralmente por meio do material em camadas abaixo da superfície”.

Fonte: correiobraziliense

Nenhum comentário.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.